Espetacular fenômeno natural

Um estranho fenómeno geológico dá a ilusão de ser um anfiteatro natural. A Fórnea assemelha-se a um enorme abatimento da crosta terrestre começando em Chão das Pias e descendo até Alcaria.

Porque os solos da Serra de Aire e Candeeiros são ocos e apresentam vácuos, puderam dar origem às grutas, mas também a este local: uma depressão de milhões de anos rodeada de cursos de água.

Na zona da várzea existe um vale de oliveiras, enquanto que no espaço envolvente se encontram duas cascatas, e duas nascentes. A zona do semi-circulo é envolvida pela Serra de Ladeiras, Pena de Águia e Cabeço Raposeiro. As erosões provocadas pelas chuvas e pelas águas nascentes criaram um cenário natural impressionante. No interior da Fórnea encontra-se a Cova da Velha, uma cavidade com uma nascente que alimenta o Ribeiro da Fórnea.

Flora: matos baixos compostos por roselhas, alecrins e pilriteiros. Existem também algumas figueiras, loureiros e medronheiros. Podem, também, ser encontrados exemplares de uma árvore rara em Portugal: a zelha. Em termos de plantas aromáticas, pode encontrar-se o poejo.

Fauna: pelas suas características, a Fórnea permite a existência de uma grande variedade de habitats levando a que existam diferentes espécies de fauna: répteis – cobra-de-escada, cobra-de-ferradura, sardão e lagartiza-do-mato; aves – peneireiro-de-dorso-malhado, águia-cobreira, águia-de-asa-redonda, cartaxo, tentilhão-comum, toutinegra-real, verdilhão, milheiriça, perdiz, rola, escrevedeira-de-garganta-preta; mamíferos – raposa, doninha, texugo e ouriço-cacheiro.